quarta-feira, 9 de maio de 2012

Confluência

                                                 (Beatriz)

Tuas raízes longas, intensas,
a se insinuarem nos labirintos
do tempo,

sei até onde encontram as minhas raízes,
e de quando se amalgamam no profundo
rio que as nutre

e nem se poderia dizer quando
que quando é de um tempo escasso,
incapaz de nos traduzir

e nem importa diante da ancestralidade
que nos confluiu.

sábado, 5 de maio de 2012

Uma história de amor..


Garboso céu a se
mirar no espelho
do riacho

que a tarde entonteceu
de amor, e ao céu ela
se doou

e, tão generoso, ele fez dela
um sonho solto no tempo.

Conspirações..



perscrutar o mistério, pleno
feito lua, e sentir o amor numa
infinita conspiração pela vida.

 .........

Conspiração, só se for de amor
para sustentar este frágil orbe,
esta frágil vida.

(e tão frágeis eram que o amor
os permitia até mesmo a conspirar).

sexta-feira, 4 de maio de 2012

Insumos amorosos

I

Despojada, foi-se
tudo, até mesmo a
vida: a bandida, agora,
é que nem corvo em
cima da vida alheia.

.........

II

De onde veio Nininha,
não havia mulher que
largasse tudo por amor,
não

amor é que largava
tudo por elas

Hoje, Nininha finge
que não vê mulher
“João Bobo”.  

quinta-feira, 3 de maio de 2012

Do verbo amar III

Amar é afinar a
régua e se medir
antes dos outros

e por fim reconhecer
que as medidas são
sempre nossas.