domingo, 16 de dezembro de 2012

Uma rosa


Uma rosa?

cada um olha
como sabe ou 
não sabe olhar. 

Há mil maneiras 
de ver.

A mais 
bela rosa?

de uma beleza
mais que cor
mais que forma

e que de olhos
fechados se sabe.  



sexta-feira, 14 de dezembro de 2012


para além do
telhado, o céu
é poema também. 

Maria


Maria fazia salada 
parecer gente: 
dois olhos de 
ervilha
nariz de cenoura
sorriso de alface.

.....

Ano passado, Maria
foi para o céu:

virou um anjo
desses que ela
dizia existir a
nos vigiar os
passos. 

Jogo do antigamente





menino empinava
pipa

menina rodava
bambolê

brincadeira
temperada 
de areia e sol

não existia 
realidade
virtual

antigamente

menino rodava
peão

menina brincava
de casinha.

.......

brincar era
movimento:
pula pula
corre corre

jogo de invento. 

terça-feira, 17 de julho de 2012

Contador de Histórias




Se me encantas,
te digo: é que tuas
palavras de vento
fazem morada em
meu sonho


e tua voz que canta
desenha aventuras
que recolho e guardo
nas minhas melhores
lembranças. 

sexta-feira, 8 de junho de 2012

Flor de maio...


Púrpura, por maio inventada,
flor de maio, cetim de maia
desmaia no ventre da manhã:
lânguida e púrpura flor de maio.

Alegre alecrim..



alegre alecrim

entre dedos
perfumados

alegre de não
ter fim.

.............
memória d'algum
paraíso perdido
e recriado em aroma -
verde-encanto -

e que ressoa:
alegre de não ter fim..

Erva Doce...



erva que tudo anima

doce feito
dia lento

alento feito
erva doce.


quarta-feira, 9 de maio de 2012

Confluência

                                                 (Beatriz)

Tuas raízes longas, intensas,
a se insinuarem nos labirintos
do tempo,

sei até onde encontram as minhas raízes,
e de quando se amalgamam no profundo
rio que as nutre

e nem se poderia dizer quando
que quando é de um tempo escasso,
incapaz de nos traduzir

e nem importa diante da ancestralidade
que nos confluiu.

sábado, 5 de maio de 2012

Uma história de amor..


Garboso céu a se
mirar no espelho
do riacho

que a tarde entonteceu
de amor, e ao céu ela
se doou

e, tão generoso, ele fez dela
um sonho solto no tempo.

Conspirações..



perscrutar o mistério, pleno
feito lua, e sentir o amor numa
infinita conspiração pela vida.

 .........

Conspiração, só se for de amor
para sustentar este frágil orbe,
esta frágil vida.

(e tão frágeis eram que o amor
os permitia até mesmo a conspirar).

sexta-feira, 4 de maio de 2012

Insumos amorosos

I

Despojada, foi-se
tudo, até mesmo a
vida: a bandida, agora,
é que nem corvo em
cima da vida alheia.

.........

II

De onde veio Nininha,
não havia mulher que
largasse tudo por amor,
não

amor é que largava
tudo por elas

Hoje, Nininha finge
que não vê mulher
“João Bobo”.  

quinta-feira, 3 de maio de 2012

Do verbo amar III

Amar é afinar a
régua e se medir
antes dos outros

e por fim reconhecer
que as medidas são
sempre nossas.

sábado, 28 de abril de 2012

Bordadeira


Dedico o poema "bordadeira" a todas as artesãs  dedicadas a seu ofício. Às mulheres rendeiras do Ceará e do Maranhão, silenciosas e plenas em seu trabalho. Estar perto de uma mulher dessas é sentir o seu harmonioso silêncio. Elas sequer assinam o trabalho que fazem, feito mais pela ancestral tradição do que pelo ego.  Essas mulheres muito têm a nos ensinar sobre uma postura de vida sábia e produtiva, e não é se esganiçando com palavras.  Enfim, uma outra perspectiva que colho da memória sobre mulheres do Estado e da região onde nasci e que, de alguma forma, estão também em mim. 

Ah, a bolinha de croché da foto fui eu quem fiz. Eu faço alguma coisinha em croché, só que a internet não precisava ficar sabendo. Tá bem, agora revelo..

Ótimo feriadão, e upa, daqui a pouco viajo.




Tecelã de versos e 
bordadeira de estrofes:
tricota aliterações
metonímias e absurdos
em gestos ancestrais
e movimentos que a
completam, traduzem
e excedem:

pingos nos is são
contas brilhantes
e vírgulas,
delicadas franjas

palavras de renda pura

na fina seda da
poesia costura
adjetivos
pesponta ilusões
paradoxos imagens

faz poemas que
a cobrem
enfeitam
e aquecem
a nudez
mas nua está
e nua compõe.

(do livro Lilases)

sexta-feira, 27 de abril de 2012

Ler é ótimo..




Ler é uma das coisas boas da vida.

Compartilho com os amigos algumas dicas para uma boa leitura:

1 – Restringir o acesso à internet, blogs, redes sociais, MSN, e similares. Eu passo apenas três horas por dia na internet e metade delas lendo revistas e jornal.
2 – Meditação. Uns vinte minutinhos duas vezes por dia de puro silêncio e quietude mental são ótimos para turbinar a mente. Se der para deitar e colocar uma pedrinha de ametista entre as sombrancelhas é excelente.  Gosto bastante de cristais e confio muito neles. 
3- Exercícios físicos. Imprescindíveis. Gosto de corrida, hata yoga, tai chi chuan, musculação.
4- Não descuidar dos demais aspectos da vida, e também não ser tragado por eles para que a leitura seja priorizada. Para isso, um pouco de disciplina. Eu não tenho dificuldade alguma em me disciplinar, quando quero, minha vontade é o que domina minha vida. Atualmente, durmo cedo, acordo cedo,  etc, e sobra bastante tempo para ler.


A liberdade mental não tem preço e a leitura nos ajuda a conquistá-la.

Ótimas leituras!

domingo, 22 de abril de 2012


Dia 18 passado foi dia nacional do livro infantil. E, neste final de semana, na Bienal Brasil do Livro, em Brasília, encantei-me no stand de "contação de histórias" e literatura infantil.  Foi emocionante ver o quanto as crianças desta era da informática estavam entretidas com uma história bem contada.  Quando eu era criança, não havia nada de que eu gostasse mais do que uma história bem contada. A literatura tinha o dom de abrir as janelas da minha alma e, de repente, tudo era possível e encantadoramente vivenciável. E aqui minha modesta homenagem a este que na infância (e ainda hoje)  foi um grande companheiro, conselheiro, e ainda pleno de chaves e códigos por onde acesso experiências mágicas, pois nada mais mágico do que um livro.




Letrinhas formam labirintos 
criam minotauros, fadas, 
bonecas falantes, 
reinos submersos, 
príncipes verdes,
espelhos mágicos e 
pés de feijão que 
chegam até o céu. 

Quando letrinhas se unem,
erigem reinos, jardins, 
terras encantadas e sítios
que pulsam em nós. 



Reflexos e Letras de Alice..




Letrinhas se refletiam
no espelho da imaginação
e refaziam as horas que,
ampliadas, abarcavam Istambul,
o agreste Pernambucano ou a
Terra do Nunca.


….......

------ Alice passou por aqui,
em vórtices de letras,  e o coelho
ia atrás.


depois que se lê “Alice”,  os espelhos
nunca mais são os mesmos ----

quarta-feira, 4 de abril de 2012

Duas qualidades que admiro bastante numa pessoa é a capacidade de administrar bem seu tempo, e a qualidade de quem é um bom pai ou uma boa mãe, o que é uma manifestação maravilhosa de amor. Deixo dois poeminhas para o Wilson Theodoro, o Theo, que tem em abundância essas duas qualidades. O segundo poema vai para Danuza, filhinha do Theo.

Tempo

Senhor da razão,
do sol que se levanta,
dos ciclos que se sucedem,

perder-me de ti,
ai de mim.

 ........

Danuza (a felicidade é azul)

Moça de olhos azuis -
contas de água marinha -
dança em lapis-lázuli:

Bem aventurada liberdade
dos que são felizes.

domingo, 1 de abril de 2012

O Boneco..

Aninha nunca gostou
de boneco João Bobo

Aquele que era só empurrar:
vá, pra ele ir, venha, pra vir.

Era muito, muito estranho,
aquele boneco risonho e
inanimado.

Hoje, desconfio que
João Bobo só queria
ser amado.

Mas que graça tem
algo tão previsível,
tão fácil de manipular?

Uma hora esvazia e
como vai ficar?

Bem melhor amar
gente de verdade...





sexta-feira, 30 de março de 2012

A magia..

A grande magia
é saber escolher:

pensamentos, sentimentos,
impressões

e reconhecer, com precisão, 
o que fica e o que não,

somos todos aprendizes da
arte de sermos realmente
felizes, que não é castelinho 
de areia e sim legítimo mar. 

quinta-feira, 29 de março de 2012

Além das palavras


Regatos, leitos cristalinos,
Pastagens luminosas,
bichos expressivos,
Sóis impressionistas,
Árvores bailarinas,
Luas surreais

e flores.

As palavras se esgueiram,
não cabem e nem tentam
ir além:

arrepio, enlevo, êxtase.

Aos filhos de áries

Estrelas também
fazem carneirinho:
a constelação de áries.

...........

O destino no céu ou
tendência, projeção
crença de que, agora,
o carneiro faz a hora.
............


Impulsivo, vital, intrépido:
Vitinho era de áries, apesar
do deslocamento da constelação.

terça-feira, 20 de março de 2012

Outono outoninho

Outono, outoninho,
caia aqui na minha mão,

fruto maduro madurinho
pra eu fazer uma canção

 ..........

frutos são plantados
numa outra dimensão,

colhemos, sempre,
madurinhos:
aqui e agora -
nesta estação.

...........

segunda-feira, 19 de março de 2012


Não queimaram vestidos
ou anunciaram virtudes
em praça pública

sabiam: o mais importante
a declinarem não era visto
ou ouvido, sequer podia ser
anunciado

torres reais a caírem
não são de tijolos:

despojar-se da matéria
não é nada, diante da
vastidão de sombras
feitas de auto-engano.

domingo, 18 de março de 2012

Domingueiros..

Considero possível
descobrir o ponto
onde o fio se partiu

onde se perdeu
a integridade

para que se mude o refrão,

"a lição sabemos de cor,
só nos resta aprender"

 é quase ridículo.

 ……………..

querem o que se
tem de melhor,

diamante não
lapidado.

Espargem verdades
para todos os lados
a enfeitarem longas
fachadas,

chegam a ser perigosos,
vistos de longe.

quinta-feira, 15 de março de 2012

Das pulgasIII

Ai, pulguinha,
tome floral,

incomode-se
com as ervas
daninhas do
próprio quintal.

Faça alongamentos,
cozinhe, ame, leia,
ouça música.

Preste atenção aos
crepúsculos e
alvoreceres,

deixe os olhos se
perderem nos
horizontes que
alinhavam as
montanhas,

viva, pulguinha,

viver é tão bom...

Das pulgasII

as pulgas montaram
arquibancadas
para o julgamento
das flores.

Condenadas? Absolvidas?

Querem decidir
as pulgas, de seus
minúsculos abismos.

Porque não cuidam
da própria vida?

Talvez lhes falte uma,

conjecturam as flores,
compassivas.

Das pulgas

pulgas querem a censura de
tudo que não for pulguice
mas que chatice

 ….......

pulgas melindrosas,
chatas, medrosas

tentam roer as flores
no quintal

mas retornam, tontas,
à pulguice original.

quarta-feira, 14 de março de 2012

À poesia (hoje é dia da poesia!)

A poesia não é de fachada
Não é uma lição ensinada
E nunca aprendida.

A poesia não quer censura
Não é metida a vegetariana
A isso ou aquilo.

A poesia é

E não precisa provar
Nada a ninguém

É de festa e de
Silêncio também,

além das expressivas
planícies eruditas

ou blog criativas:

sorri e sorri,
viva e liberta.

segunda-feira, 12 de março de 2012

O beija-flor destrambelhado

Beija-flor destrambelhado
Rodopia perdido no vento
De flor em flor, quer beijar
Todas e não beija ninguém.

Que graça tem, rodopiar
E rodopiar, e nunca o
Amor conhecer.

Beija-flor destrambelhado
Não ama ninguém e por
Ninguém é amado.

Voa voa na superfície, sem
Qualquer profundeza,
Beija-flor destrambelhado
De tão falsa beleza.

quinta-feira, 8 de março de 2012

Feminino Plural


A todas as Marias,
Lúcias, Cecílias,
Graças, Celestes.


Sempre e não só neste
dia.

A todas as fadas, bruxas,
ninfas, sereias, abelhas

deusas, plebeias, ateias,
beatas.

A este planeta, que é feminino,
a você que saiu de alguma fresta
para esta festa femininoplural

desejo 

felicidade e amor..


quarta-feira, 7 de março de 2012

Matiz


(Ao Theodoro, o menino transparente)

Há um arco íris
que se expande 
no tempo

irisa o espaço

pousa no leito
do rio que tange 
a estrada que
nos inscreve e
que inscrevemos. 





terça-feira, 6 de março de 2012

Momento..


Buquê de silêncios,
decorado de entrelinhas,

sem nenhum ponto final.

Síntese..


céuazulzinho, ai quanto céu,
barro vermelho, véu, onde
se imprime uma trilha,

seguir aqui, com céu lá,
entre ontem e amanhã:

síntese.  

sábado, 3 de março de 2012



Poema especial do Mário Quintana aos amigos que visitam o blog. Beijo, ótimo final de semana..



Canção do dia de sempre

Tão bom viver dia a dia...
A vida assim, jamais cansa...

Viver tão só de momentos
Como estas nuvens no céu...

E só ganhar, toda a vida,
Inexperiência... esperança...

E a rosa louca dos ventos
Presa à copa do chapéu.

Nunca dês um nome a um rio:
Sempre é outro rio a passar.

Nada jamais continua,
Tudo vai recomeçar!

E sem nenhuma lembrança
Das outras vezes perdidas,
Atiro a rosa do sonho
Nas tuas mãos distraídas...



Mário Quintana

sexta-feira, 2 de março de 2012

Aprendizados


Um dia aprendemos a
achar as pulgas e os
papagaios muito
engraçados

e que há em nós o que é
inalienável e não podemos
negociar, nem para vivermos
o que nos dizem ser o amor.

Aprendemos sobre responsabilidade,
percepção e que o mundo real,
pleno em contradições a serem
superadas, é bem melhor que o
virtual ou o ideal. 

Arriscamos ser felizes
e olhar o mundo além
da janela, mais vezes que
a tela do computador. 

Um dia aprendemos a separar
o joio do trigo e a investir no
dharma e não no karma, o
que os caminhos do amor
real certamente nos propiciará.

Aprendemos a ser inteiros,
nós mesmos: esse enigma
que certamente amamos. 

Aprendemos que a realidade pode ser
surpreendente e não podemos controlar
tudo,

e que a felicidade, o encanto e a poesia
teçam os fios de nossos dias.

terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

Cró cró, a pulga


O que cró cró -
a pulga - quer aqui,
já disse pra cró cró
sair

mas cró cró
não sai.

É que precisas
aprender a
línguagem das
pulgas:

cró cró cró
tem dó tem dó
tem dó tem dó
cró cró cró

Ato falho


o que será
que deu errado:

além das aparências,
talvez, a explicação

ou a vida tem razões
sem razão

e um rito próprio,
secreto e certeiro,

que aos poucos
se mostra: trabalho
de pequenas formiguinhas. 

Oração



Nos livre, sempre, do
papagaio de Dona Nonata:


  • sô boa, sô boa,
  • à toa?
  • sô boa, sô boa
  • ensaboa?
  • sô boa, boa, boa
  • boba, boba, boba.




segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

O papagaio de Dona Nonata



O papagaio de dona
Nonata não parava
de dizer: eu sou boa,
eu boa, eu sou boa..

  • Ensaboa?
  • Não, eu sou boa.

papagaio bobo
bondade não se
alega.

  • Mas é bondade 
    de papagaio!
  • Ah, bom...





sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

Noitinha

De gala, o tempo:
adornado de lua
e estrelas

ao som de
inconfundível
melodia:

 coac, coac, coac, 

da saparia do brejo.

Aninha e a brisa

brisa parecia
colo de vó:
envolvia
de carinho

tão bom brisar
e até escutar:

 tum, tum, tum,

o coração da brisa
parecia coração de vó.

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

Trezentrês mix (figurinhas)

Verinha sabia muito bem:
quem não se ama
não ama ninguém

..........

Larissa não era
de ficar no pé.
...........

Dinho e seu olhar
imantado de horizontes.

 …........


Aninha se fantasiou de Jeane
e Zequinha de pirata.
 …..........

Nina era discreta,
secreta, por isso,
tudo deu certo para ela.

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

Mais figurinhas

Tutu era muito legal
e coisa e tal.
........

Guto tinha a alma
educada pela poesia
mas nunca escreveu
verso algum.
 .......

Simoninha ria a toa.
..........

Aninha vivia lendo.
............

Marcel era arteiro
mal cabia na quadra:
a cidade era o limite.
 .......

Artuzinho era tão,
tão bonzinho.
 .......


Tetê era migona,
para ela se podia
contar tudo.
 .........

Zequinha era muito esperto.

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

Figurinhas



Danilinho precisava
ser bajulado para se
sentir bem

Amém!

Sai de retro - ô trem -
que Vivi bajula não.

.....................

Juju dizia o que pensava
valia mais a sinceridade,
valia mais ser de verdade.

.......................

Belinha era bela
bela mesmo
e é até hoje.

........................

Lu era um docinho
tão delicadinha
nem dava enjoo.

.........................

Quel era aventureira:
caçadora de joaninhas
maestrina de cigarras.

..............................

Déia era (e é)
muito especial.

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Pingo



pingo no i faz vogal
pingo no céu, estrela
pingo de chuva faz poça

pingo d'água
(de pingo em pingo)
faz oceano

pingo de gente,
o mundo inteiro

pingo de mundo,
todo o universo.

Pedro Pedrinho Pedreiro

Pedro
Pedrinho
Pedreiro

É de pedra,
de vento ou
de sonho?

Nada disso -
suponho -
e também
tudo isso

Pedrinho é
possibilidade:
um sorriso
um silêncio
um olhar
muito além
dos muros
da cidade.
              (meus sobrinhos Júlia e Pedro)

domingo, 22 de janeiro de 2012

Gabriel

(meu sobrinho Gabi e Laurinha)

O sorriso do Gabi
parece pintura de
Deus,

escultura de Zeus,

os olhinhos brilham
as plêiades possíveis
à pureza

e a metáfora é que
o homônimo
arcanjo sorri -
misterioso.

........

Gabi é puro encanto
é matéria e espírito

vários, agora,
num único menino

ou num menino
único.

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Planeta Dourado




Estranha mudez, enlevo,

à margem a cegueira
dos que desconhecem:

obsedados, sofredores.

..........

o olhar se mescla
à dourada seda

e no ser a luz desvela
a mais pura compaixão.

sábado, 14 de janeiro de 2012

Julinha

(minha sobrinha Júlia)



Julinha é muito
sabida

não é de chororô

é de bem
com a vida

olhar certeiro
adiante
sorriso largo
diamante.

Sem perder
a graça,
Julinha é forte.

Sem perder
a dança, faz
de qualquer
azar a mais
pura sorte.